ARTIGOS

Lampadas de led e Domus, no telhado de um armazém industrial.

26

março

6 segredos para economizar energia em iluminação industrial

 

A iluminação de um galpão industrial pode representar um gasto significativo com energia elétrica para uma fábrica. Então, para economizar nesse aspecto e escolher um sistema de iluminação industrial adequado diversos fatores devem ser levados em conta, a exemplo do consumo energético, custos com manutenção, durabilidade e eficiência.

E há diversas opções no mercado: desde as lâmpadas de vapor metálico, luminárias industriais, LED e, claro, a iluminação natural — que, inclusive, contribui para a saúde e bem-estar dos colaboradores. Veja mais aqui!

Por isso, reunimos neste post seis segredos certeiros para você economizar energia em iluminação industrial. Conheça agora:

 

1. Considere as necessidades de iluminação de cada ambiente

Qual o objetivo de utilização de determinado ambiente? O que será produzido? Esse espaço dispõe de pouca luminosidade natural? É pouco frequentado? Identificar as necessidades de cada local é essencial antes de escolher qual sistema de iluminação será o mais adequado.

Afinal, são diversas atividades desempenhadas dentro de uma indústria e cada uma requer diferentes níveis de iluminação. Lembre-se de que subestimar ou superestimar essas necessidades certamente irá resultar em gastos evitáveis para as empresas. Ao superestimar, consome-se desnecessariamente. Ao subestimar, afeta-se a produtividade, reduz-se a segurança, diminui a eficiência e prejudica o bem-estar dos funcionários .

 

2. Estime os custos de funcionamento de cada equipamento

O custo para aquisição de um equipamento ou sistema deve representar, claro, um investimento inicial mais robusto dentro do seu orçamento. No entanto, calcular o gasto recorrente para o uso desses itens decerto lhe ajudará a economizar em iluminação.

Por isso, é importante conhecer as características específicas de consumo, manutenção e durabilidade dos produtos utilizados na iluminação, bem como saber quais riscos de segurança e/ou ambientais eles oferecem. Conheça algumas diferenças:

Lâmpadas de vapor metálico

 

Lampadas de mercúrio.

Oferecem rendimento luminoso alto e são utilizadas para iluminar grandes áreas como estádios, ginásios e quadras. Embora produzam pouco calor e tenham alta durabilidade, elas precisam de certo tempo para acender por completo, além de emitir intenso brilho, o que pode prejudicar a sensação de bem-estar.

Possuem também risco de contaminação para o meio ambiente, já que contém metais pesados.

Lâmpadas fluorescentes

Muito utilizadas nos ambientes industriais e residenciais também, esse tipo de lâmpada tem um rendimento luminoso alto, baixo consumo de energia e estão entre as mais baratas do mercado. No entanto, por conta da sua baixa vida útil (dura até 7.500 horas), pode ter altos custos de manutenção.

LED

 

Luminária de LED.

Com a durabilidade alta, pouca necessidade de manutenção e consumo energético baixo, esta é a opção mais indicada se o objetivo é economizar com iluminação. O único ponto desfavorável deste sistema é o preço, uma vez que o custo para aquisição é elevado, mas na grande maioria dos casos garante-se economia.

É isenta de riscos para o meio ambiente por não conter metais pesados.

Iluminação natural

Os domus lineares, sejam prismáticos ou alveolares estão entre os recursos mais utilizados para aproveitamento da luz do sol em galpões industriais. Não utiliza, portanto, energia elétrica, sendo a opção mais barata para iluminação industrial. A única limitação é o intervalo de tempo em que ela pode ser utilizada que está, claro, condicionado à luz do dia.

 

3. Siga as normas referentes à iluminação industrial

As normas brasileiras que dão referência à iluminação industrial devem ser seguidas à risca desde o projeto luminotécnico. Como já dissemos em outros artigos, é preciso garantir os níveis mínimos de iluminância natural para atender às normas e, claro, minimizar o risco de acidentes no ambiente de trabalho.

Outros quesitos que também devem ser observados é a ergonomia e ventilação dos espaços de modo a contribuir não só para a qualidade de vida do colaborador a médio e longo prazo, como também para a produtividade e diminuição dos acidentes. Esses aspectos são normatizados especificamente pela Norma Regulamentadora 17, estabelecida pelo Ministério do Trabalho, e também tomam como referência as normas NBR 5413 e NBR 5382. Veja mais sobre essa questão da conformidade do projeto luminotécnico aqui .

 

4. Recorra à iluminação natural

Além de atender às regras estabelecidas pelas normas regulamentadoras, utilizar a iluminação natural reduz significativamente o consumo de energia elétrica, e a iluminação é a área onde há maiores possibilidades de adotar ações para economizar.

 

Domus de iluminação natural.

Por exemplo, com sistemas como domus lineares — entradas de luz criadas no telhado para aproveitamento da luz solar —, o uso de lâmpadas pode ser até mesmo eliminados por várias horas ao longo do dia. Essa solução é uma das poucas capazes de consumir menos do que um sistema de iluminação industrial baseado em LED.

 

+Você já leu esses?

 

5. Automatize a iluminação industrial

Se a primeira revolução industrial trouxe para nós a produção em massa, hoje, o convite da terceira revolução, a era da automação, é deixar a tomada de decisões ser feita a partir de uma base de dados, de forma mais automatizada possível.

E essa pode ser uma medida adotada para economizar em iluminação. Veja só: é possível ter um sistema de iluminação industrial combinado à iluminação natural , em que as lâmpadas acendem somente nos momentos em que são necessárias .

 

Sistema de iluminação híbrido do Grupo MB.

Este sistema pode ser dimerizável, quando é possível fazer o controle de graduações de intensidade da luminosidade. Além disso, tais sistemas permitem ligar e desligar as luminárias a distância, garantindo uma robusta economia de energia. E isso, claro, não exclui a recomendação de utilização do LED, para o mínimo consumo possível das luminárias mesmo no pico da utilização.

 

6. Combine soluções e aumente a economia

Sabe a expressão popular “nem oito nem oitenta”? Pois então, ele é perfeitamente utilizável no campo de iluminação industrial. Isso porque não é necessário adotar apenas um tipo de sistema de iluminação para os ambientes.

Inclusive, para economizar em iluminação é extremamente recomendável o contrário: que você utilize um sistema híbrido , que utilize a iluminação natural em todas as horas do dia possíveis. E, nas horas em que a iluminação natural não for suficiente — como antes do amanhecer, no anoitecer e em situações de céu extremamente encoberto — um sistema de iluminação automatizado supre as necessidades.

E ainda, se este sistema de iluminação industrial utilizar luminárias de LED e for dimerizável, garante-se o mínimo de consumo de energia para iluminação. Desta forma é possível regular a intensidade das luzes conforme a intensidade da luz natural no ambiente, com máxima eficiência e economia.

Bom, já deu para notar que é possível adotar ações que impactem diretamente na economia de custos com iluminação industrial, não é mesmo? Avaliar as necessidades de cada ambiente, levar em conta os custos fixos com cada tipo de luminância e, claro, combinar soluções são caminhos necessários para se manter competitivo no cenário industrial do século XXI.

E, então, ficou curioso para saber mais sobre o assunto? Baixe agora mesmo nosso e-book comparativo entre sistema de iluminação industrial ou entre em contato para tirar dúvidas ou solicitar um orçamento pelo formulário abaixo.

Aceitamos Cartão BNDES

Solicite seu orçamento: resposta em até 3 dias úteis.